Arquivo da tag: auto julgamento

Cinza

Não te pesa a consciência alimentar essa casca sobre você? Ela não pesa? Ela não cai? Como? Não te dá dores nas costas? Nem no coração? Não se sente em cinzas expondo essa coisa cor de rosa estranha que te cobre por completo? E o fôlego, você não perde? Não fica sufocado? Te traz alívio fazer as pessoas sorrirem com toda essa cor? Pare de mentir para si mesmo.

Pensa que o que alimenta o que você acha que é vem de dentro? Por dentro existe um ser puramente verdadeiro. Por fora existe um traje bonito, cabelo arrumado e um belo sapato. Acha que consegue disfarçar o sofrimento que há no fundo do seu coração coberto por essa casca? Pare de se enganar.

Você age como quem não quer nada e toma todo o cuidado do mundo para não deixar o semblante entregar o emaranhado de sentimentos que está impregnado em sua alma. Mente para as pessoas e às vezes deixa escapar um pouco do seu veneno guardado. Isso não te traz vergonha? Não te deixa exausto ferir outros por algo que te estilhaça dia após dia?

Lembro de ouvir-te dizer que queria mudar. O que você está mudando? Seu disfarce? Enquanto está preocupado em manter o cor de rosa dessa sua casca bem vivo, seu eu interior está apodrecendo. Bom, não sei você, mas eu nunca vi algo podre voltar a ser viçoso.

Não sei se toda essa mentira te cansa,  mas você está de pé em um mundo que não tem chão. Pois então não te dá vontade de construir um chão? Onde está se sustentando? Nessa sua aparência medíocre? Para de se machucar. Respira.

A vida é um tesouro que só é verdadeiramente desfrutado quando se é verdadeiramente si mesmo. Uma hora você vai cansar de toda essa história e vai querer viver. Espero que seja logo.

Medo

De que você tem medo?

Ando por caminhos escuros, sem saber o que virá a seguir. Mal consigo olhar em volta. Não quero ver, não quero sentir. A escuridão nos faz querer correr, e é isso que quero fazer. Temo morrer de frio, daquela dor de cabeça de quando o vento congelante vem em sua direção. Piora cada vez mais. Remédio não cura. Como tanta gente consegue sentir isso a vida toda e continuar vivendo? Soa como piada. A falta de luz me faz cair em todas as pedras, que por sinal apenas ficarão maiores. Como tanta gente consegue passar por elas a vida toda? E quando todo o caminho escuro está preenchido por pedras? Eu posso quebrar minhas pernas e não conseguir mais levantar.

Ao meu redor estão vários lobos. Eles observam, mas me olham com indiferença. Eu grito, grito, grito, minha garganta dói. Agem com normalidade. Peço ajuda, mas se viram e seguem seus trajetos. Apenas um se aproxima. “Não consigo me levantar, estou com frio e está tudo escuro, será que pode me ajudar?” E então ele apenas faz como os outros.

Uma senhora passa por mim e pergunta o que aconteceu. Explico que tropecei e me machuquei muito, além de estar com muito frio. “Por que não vestiu um casaco? Preste atenção.” E assim segue, como já havia me acontecido antes.

Vejo uma luminosidade estridente ao meu lado e me arrasto até ela. Encontro uma moça com várias lanternas. “Você precisa de uma, tome essa aqui.” E me alcança uma daquelas. “Sei que não consegue ver nada, mas agora vai poder enxergar por onde anda.” Logo em seguida chega um rapaz, com um andar discreto e com um jeito calmo. Esperava por palavras vindas dele, talvez sua voz fosse tão suave como o resto. “Ei, você está louca? Precisa se virar sozinha, largue esta lanterna.” Diz, derrubando-a de minhas mãos. E assim segue seu trajeto. Abaixo minha cabeça e começo a chorar. “Chore, bote para fora.” Diz a vendedora, me abraçando. Ela estanca o sangue com alguns panos e logo em seguida chama ajuda. Engraçado, já que o que mais sangrava naquele momento era meu coração.

Consigo ouvir com muita clareza todos os outros gritos por ajuda a minha volta. Talvez nem todos tenham a mesma sorte de encontrar uma banca de lanternas. Talvez só passe por eles quem apenas ignora e aumenta a dor.

Meu coração continua sangrando, e a cada minuto que se passa a fraqueza toma mais espaço. Sou atendida. Levo pontos em todos os machucados em meu corpo. Doutor, a dor vem de dentro. “É normal, às vezes sangra, já passei por isso, vai passar. É apenas uma fase.” Obrigada.

Ninguém vive sem sangue, assim como ninguém vive sem a felicidade.

Eu tenho medo de não parar de sangrar.

Aperto

O tempo passa devagar,

E só consigo sentir o aperto no peito

De quem apenas está a se afogar.

 

Dizem que é simples:

“Não é nada, já vai passar”

Vivendo de promessas alheias

Aumentando a esperança de algo incerto

Sinto o sangue correndo por minhas veias.

 

Quanto mais respiro,

Mais sem ar fico

Inspiro

Expiro

 

Preste atenção,

Ainda sairá prejudicada

Você tem prova amanhã

Cuidado para não dar mancada!

 

Se não deu certo:

“Não se preocupe, ainda dará!”

Vivendo aguardando o futuro

Que aparenta estar por perto

 

Acomodando-me no duvidoso,

Mergulhando em abismos,

Vivendo subjetivismos,

Aguardando por algo frutuoso.

Eu sou muito mais do que você possa imaginar.

Claro. Sou uma pessoa como você, feita de carne e osso. Olhe para mim. Sim, olhe para mim. Olhe logo. Olhou? Ok, agora me diz: O que você vê? Um rosto, um corpo, uma imagem. Já parou para pensar o quão bela posso ser por dentro? Quantos sentimentos e sonhos guardo dentro de mim? Sou tão normal quanto você. Tenho vontades, tenho desejos, pensamentos estranhos, e mais um bocado de coisas não definidas. Posso ter consciência ou não, posso ser uma pessoa boa ou ruim, ou os dois ao mesmo tempo. Já ia me esquecendo, sou um poço de desgraça, assim como você também é. Rude? Eu? Não. Aliás, talvez. O que você vê pode ser apenas um rosto, um estereótipo. Tenho minhas ânsias, meus medos, minhas capotadas diárias, minhas pequenas-grandes mentiras, meus erros, minha preguiça. Mentirosa? Não. Aliás, talvez. Sou um rio de incertezas, como você. Às vezes fico sentada na cama olhando pro nada, pensando em que merda eu estou fazendo. Tudo poderia ser melhor. Aliás, pode. Aliás, talvez. Falsa? Eu? Não, claro que não. Na verdade… pode ser que sim. Você nunca vai saber. Posso estar fingindo, ou posso estar dizendo a verdade. Sou um poço de alegrias, assim como você também é. Dou risadas, choro, gaguejo, xingo. Ah, como xingo! E xingo muito. Estaria sendo hipócrita se dissesse que não xingo. Xingar é feio, ah se não é. Mas mesmo assim eu xingo. Xingo muito. Você também xinga. Não seja hipócrita. Quando bate seu dedinho do pé na quina de algum móvel, o que você diz? “Ah que pena!”? Acho que não. A realidade mesmo é que você diz coisas bem piores que isso. Você mente, eu também. Você sente, ama, chora, ri, xinga, é sem educação e não tem paciência. Eu também sou assim. Aliás, talvez. O que você vê primeiro quando olha pra mim? Meu rosto. Muitas coisas podem estar além disso. Eu sou um mar de imensidão. Tenho meus valores, e assim como você, eu não preciso provar para ninguém as minhas afirmações pessoais. Olhe, quem é essa garota que chegou agora? Ridícula, ela? Por que? Ela tem cara de nojenta? Que que tem? O que você está vendo, meu caro? Um rosto? Eu também. Mas olhe para ela. Olhe logo. Olhou? Ok, agora me diz: O que você vê? Ela é muito mais do que você possa imaginar. Universo que me livre de pessoas que julgam sem conhecer. Aliás, estaria sendo hipócrita se dissesse que não julgo. Ah, como julgo. Por mais que eu tente, ainda tenho esse lado sombrio. Sou estranha, assim como você também é. A diferença entre nós é que um pode ser menos estranho do que o outro. Mas temos algo em comum: temos sentimentos, alegrias, tristezas, e muitas estantes para colocarmos os nossos erros. São tantos erros que ainda estão por vir, que acho que já vou fazer encomenda de mais estantes. Mas olhe, olhe de novo. Ela é legal? Sério? Não parecia. Quer ser nossa amiga?