Arquivo da tag: relações

Cinza

Não te pesa a consciência alimentar essa casca sobre você? Ela não pesa? Ela não cai? Como? Não te dá dores nas costas? Nem no coração? Não se sente em cinzas expondo essa coisa cor de rosa estranha que te cobre por completo? E o fôlego, você não perde? Não fica sufocado? Te traz alívio fazer as pessoas sorrirem com toda essa cor? Pare de mentir para si mesmo.

Pensa que o que alimenta o que você acha que é vem de dentro? Por dentro existe um ser puramente verdadeiro. Por fora existe um traje bonito, cabelo arrumado e um belo sapato. Acha que consegue disfarçar o sofrimento que há no fundo do seu coração coberto por essa casca? Pare de se enganar.

Você age como quem não quer nada e toma todo o cuidado do mundo para não deixar o semblante entregar o emaranhado de sentimentos que está impregnado em sua alma. Mente para as pessoas e às vezes deixa escapar um pouco do seu veneno guardado. Isso não te traz vergonha? Não te deixa exausto ferir outros por algo que te estilhaça dia após dia?

Lembro de ouvir-te dizer que queria mudar. O que você está mudando? Seu disfarce? Enquanto está preocupado em manter o cor de rosa dessa sua casca bem vivo, seu eu interior está apodrecendo. Bom, não sei você, mas eu nunca vi algo podre voltar a ser viçoso.

Não sei se toda essa mentira te cansa,  mas você está de pé em um mundo que não tem chão. Pois então não te dá vontade de construir um chão? Onde está se sustentando? Nessa sua aparência medíocre? Para de se machucar. Respira.

A vida é um tesouro que só é verdadeiramente desfrutado quando se é verdadeiramente si mesmo. Uma hora você vai cansar de toda essa história e vai querer viver. Espero que seja logo.

Para que?

Quando nasci, ganhei de presente a morte. A única certeza que tenho é que um dia irei morrer. Falecer. Chegar a um lugar melhor. Bom, chame-a como preferir.

Outro dia estava dormindo profundamente, quando fui acordada repentinamente com aquele sentimento de que algo estava errado. A luz do sol não transpassava a janela como outrora; ainda podia sentir o frio da madrugada. Tive minha paz interrompida em meio à noite envelhecida. Ó Deus, o que poderia tirar meu sossego desta forma? A morte. Somos pegos de surpresa, -eu fui pega de surpresa! Arrumei minhas coisas com uma enorme dificuldade para enxergar o que estava pegando em minhas mãos, as lágrimas desciam cada vez mais densas. Ó Deus, logo agora?

A dor no peito apertava cada vez mais. O tempo próximo não costuma ajudar muito… Ele apenas vai inflando nosso peito de angústia. Chorei, pois precisava desinflar. Se o tempo próximo não dói, a longa data te aniquilará aos poucos. Os minutos se tornam horas. Cada instante parece ser uma eternidade.

O que temos certeza (e a única certeza) é que à morte estamos destinados. Não há como fugir, não há como correr. Alguns colidem de frente, quando não se sentem capazes de suportar mais a própria vida; alguns correm, o mais rápido que podem. Tabu! Outros, tranquilos, a recebem como um destino manso. Temendo ou não, saiba: Todos iremos morrer.

Toda a sociedade se apressa para conseguir o que quer, ou até coisas que nem são tão necessárias assim. Pois ora, olhe nas ruas de sua cidade. O sofrimento é um vírus: descuide-se e será contaminado. A rotina cansa, suga a alma e a felicidade dos seres humanos. Olhe nas ruas de sua cidade! Palavras grosseiras e agressivas, filtros inexistentes. Trabalhe! Trabalhe! Seja ambicioso! Para que? À morte estamos destinados, e no céu não entra dinheiro, e nem bens conquistados durante a vida. Hoje conversando com uma professora, ouvi atentamente: “Carro é roubado, dinheiro também. Mas o conhecimento que passo aos meus filhos, as experiências vividas, isso eu tenho certeza que não será tirado deles. É para sempre.” Para que passamos toda nossa desprezível existência sofrendo e correndo sem parar? Não adianta ser ganancioso. É aí que entra todo aquele discurso da felicidade.

Ah, caro leitor, não tema a morte. Ela é algo que chega de fininho e pega muita gente de surpresa. Mas saiba que o sentido da vida está nos amores que conquistamos; nas pequenas coisas apreciadas; na paz do pôr do sol; no cheirinho das plantas levemente umedecidas após a garoa. Nossa existência, apesar de todas as dores e perdas, não é inútil. Parece fútil dizer, mas apenas vivemos uma vez. Apesar da luz não transpassar mais à janela nas manhãs ensolaradas, esse não é o fim. O fim, meu amigo… Não o cogite, não o espere. Mas saiba que ele existirá. Tenha vontade de sentir o cheirinho da terra molhada, de ver o arco íris. Seu legado nunca morrerá.

Não perca a sua vida! Não é algo que é vendido por aí em camelôs e nem na internet. Ela passa num piscar de olhos, e esse piscar de olhos não se repetirá. Nascemos e ganhamos de presente a morte…

Zen

Dizem que a desgraça nunca vem sozinha. Ao longo da vida a gente evolui, e nossas companhias mudam. Não é sempre que estamos dispostos a agitação, inquietação e coisas do tipo. É necessária a compreensão da necessidade de momentos assim, mais calmos, mais zen. Se você evolui, não deve regredir. Ou é uma coisa ou é outra. Se já experimentou companhias que deixam sua energia mais leve, de fato terá preferência por elas. Não necessariamente as pessoas precisam ter o mesmo pensamento e ideias que você, mas sim saber discutir de forma saudável e respeitar seu espaço, assim como também deves respeitar. Digo e repito, qualquer relação deve ter reciprocidade. Nada funciona se as coisas vierem apenas de um lado. A desgraça nunca vem só. Evolua as companhias e não dê pra trás. Funciona mais ou menos como fases de um jogo, cada uma vai ficando mais complexa. Quanto mais você deixa o ciclo natural das amizades e a renovação acontecerem, maior fica sua visão sobre isso. Coisas que aceitava antes, em hipótese alguma aceita agora. Claro que não se deve permitir a regressão. Lembre-se, a desgraça nunca vem sozinha, mas sim, acompanhada. Se você abre a porta para uma, as outras dão um jeitinho de segui-la.

Dia rosado

Hoje ela estava feliz. Mas não vá pensando que já acordou assim. A garota acordou como sempre acorda todos os dias: meio tanto faz. Abriu os olhos, sua mãe a chamou pela segunda vez e já era 12:00, típicas férias… Almoçou, lavou a louça, ficou no celular por horas e horas até decidir que deveria fazer algo mais produtivo, pelo menos hoje. Abriu seu piano, e todo o sentimento de tanto faz foi indo embora ao soar de cada nota. Deixou sua mãe mais alegre, e depois foi ajudá-la a limpar a casa suja de reforma. Como se não bastasse, ligou uma música. Como sempre. O sentimento de tanto faz foi indo embora conforme o som se espalhava. Ainda passeou com o cachorro. O tão comum tanto faz foi a óbito. Nem todos os dias são assim. Ela ficou se perguntando de onde tirou toda essa vontade de ser feliz em um dia comum, e ainda por cima fazendo algumas coisas bem chatas e desgastantes. Mas na verdade, a garota viu que nada é desgastante. A gente determina o que é desgastante ou não. E se ela estivesse meio tanto faz? Com toda certeza e mais um pouco, tudo teria sido muito chato e cansativo. Tudo muda se tivermos vontade e um pouquinho de ânimo. Expulse esse sentimento de tanto faz de você. Ah, já ia me esquecendo. O estado de espírito dela estava tão bom e fabuloso, que ela estava fabulosa. Todo mundo quando está alegre torna-se fabuloso. Aliás, torne-se fabuloso. Sorria. Tudo que é ruim tem uma pitada de bom. Faça com que o bom aumente. Faça com que o bom se torne tão grande, que invada seu coração. O bom faz com que você faça o bem. Os dias são precisos, sorria. Seja fabuloso.

Você não merece

Você não merece isso. Esperar por um amigo e ganhar um meio-amigo. Um meio-amor. Uma pessoa pela metade. Sem sombra de dúvidas, você não merece isso. Não merece alguém que te faça acreditar na vida, e que cada dia será melhor que os anteriores- e logo em seguida te prova o contrário. Você não pode deixar a sua esperança aumentar e diminuir desta forma. Tem horas que a gente cansa de brincar de montanha russa com as pessoas. Obviamente toda relação tem seus altos e baixos, mas estou falando de algo bem maior que isso. A situação chega ao ponto de te fazer questionar que tipo de pessoa é essa que está ao seu lado. Que tipo de pessoa é essa que está ao seu lado? Ela te dá meio-amor, meia-atenção, meio-respeito, meia-preocupação? Honey, então não vale a pena. Definitivamente, este é o tipo de ser humano que não vale a pena. Pior mesmo é quando a gente constrói um carinho tão grande por ela, e depois tudo isso que criamos/construímos cai sobre nós, vira-se contra nós. Ou é tudo, ou é nada. Das duas uma. É tudo? Ótimo, perfeito. Mantenha essa pessoa na sua vida. É nada? Tchau. Você merece mais que isso. É como dizem por aí: Não aceite migalhas. Não é meio-amor; na verdade, se é meio não é amor. Não é meia-atenção. Quem se preocupa mesmo contigo não te dá nada pela metade. E quando estás na fossa e precisa de um ombro amigo, cadê o seu meio-alguma-coisa? Onde? Depois que sentimos que “ninguém se importa”, vem aquela sensação de solidão. Fulano de tal tá pouco se lixando pra você, sério, tá nem aí. Sua meio-alguma-coisa também não tá nem aí. Ninguém é obrigado a aceitar isso. Para de ficar correndo atrás, amiga. Descansa um pouco. Tem gente que não merece o mínimo do seu esforço. E com isso tudo, o que acontece? Você só se desgasta mais e mais. Quem parecia ser incrível, aos poucos vai sumindo. É bem difícil. De meio em meio você se esvazia. Contraditório, mas faz sentido. De tanto engolir meio-alguma-coisa, você se sente sozinho. Sem sombra de dúvidas, você não merece isso. Porém, entretanto, no entanto, nesse joguinho inútil de se dar pela metade, mal sabe fulano de tal a pessoa incrível que ele está perdendo. Você. 🙂

Para que eu possa me lembrar

Sabe quando no meio da semana bate aquela saudade de todos que você ama? Não que você não seja amado, mas sente falta da companhia. Às vezes sentimos mais necessidade que outras vezes. Um carinho de amigo, de mãe, de cara-metade. Eu sou um ser humano e como todo ser humano tenho ânsia de amor. Creio que não é pedir muito. Nós somos tão belos com essa capacidade de amar e de sentir coisas indescritíveis, mas somos mais belos ainda quando compartilhamos tudo isso com alguém. É uma necessidade completamente comum de todos nós. Leia isso com atenção: Quantas vezes você já disse “eu te amo” hoje? Tá na hora de começar a dizer. Mas não diga isso só para agradar o outro, diga isso para expressar o seu amor, para deixar fluir esta alegria em você. Ao dizermos isso, a sensação que dá é tão boa que dá vontade de sair gritando para todo mundo ouvir o quanto a pessoa é importante para você. Não tenha medo de mostrar. Mostre mesmo. É tão bonito… Não acha? É bonito o sorriso da pessoa quando te ouve dizer palavras bonitas, o brilho que surge fora do normal em seus olhos. Fazer alguém feliz é se fazer feliz. Minha melhor amiga é um amor de pessoa, e eu não canso de dizer que amo ela. Por que não? Ela me faz a amiga mais feliz do mundo, e eu faço ela se sentir assim também, porque é recíproco. Meu namorado a mesma coisa. Minha irmã, minha prima, e assim por diante. As relações estão aí pra isso, para dizer o quão importante cada pessoa é. O amor nos deixa feliz. Não compreendo quem diz que “é alérgico ao amor”, que isso é treta e tal. Se é treta é porque não é amor, concorda? E também, ninguém nunca disse que seria fácil. Nada vem tão fácil, às vezes é preciso batalhar para se ter aquilo que desejas. Não desista de amar. Não desista das pessoas que te fazem feliz. Viemos a este mundo para sermos felizes e compartilharmos isso. E não ache que não merece. Merece sim, e merece muito.   O amor está na pureza das palavras e na beleza dos gestos. Porque o amor não está apenas nos ditados, está na comprovação disto. O doce toque e o doce beijo, o desesperador olhar que acalma, e tudo ao mesmo tempo. O ” busca água pra mim” de todo fim de semana e o “vou te matar” de toda terça e quinta. Olha, eu amo vocês. Dos mais profundos labirintos de meu coração, eu amo vocês.

Eu sou muito mais do que você possa imaginar.

Claro. Sou uma pessoa como você, feita de carne e osso. Olhe para mim. Sim, olhe para mim. Olhe logo. Olhou? Ok, agora me diz: O que você vê? Um rosto, um corpo, uma imagem. Já parou para pensar o quão bela posso ser por dentro? Quantos sentimentos e sonhos guardo dentro de mim? Sou tão normal quanto você. Tenho vontades, tenho desejos, pensamentos estranhos, e mais um bocado de coisas não definidas. Posso ter consciência ou não, posso ser uma pessoa boa ou ruim, ou os dois ao mesmo tempo. Já ia me esquecendo, sou um poço de desgraça, assim como você também é. Rude? Eu? Não. Aliás, talvez. O que você vê pode ser apenas um rosto, um estereótipo. Tenho minhas ânsias, meus medos, minhas capotadas diárias, minhas pequenas-grandes mentiras, meus erros, minha preguiça. Mentirosa? Não. Aliás, talvez. Sou um rio de incertezas, como você. Às vezes fico sentada na cama olhando pro nada, pensando em que merda eu estou fazendo. Tudo poderia ser melhor. Aliás, pode. Aliás, talvez. Falsa? Eu? Não, claro que não. Na verdade… pode ser que sim. Você nunca vai saber. Posso estar fingindo, ou posso estar dizendo a verdade. Sou um poço de alegrias, assim como você também é. Dou risadas, choro, gaguejo, xingo. Ah, como xingo! E xingo muito. Estaria sendo hipócrita se dissesse que não xingo. Xingar é feio, ah se não é. Mas mesmo assim eu xingo. Xingo muito. Você também xinga. Não seja hipócrita. Quando bate seu dedinho do pé na quina de algum móvel, o que você diz? “Ah que pena!”? Acho que não. A realidade mesmo é que você diz coisas bem piores que isso. Você mente, eu também. Você sente, ama, chora, ri, xinga, é sem educação e não tem paciência. Eu também sou assim. Aliás, talvez. O que você vê primeiro quando olha pra mim? Meu rosto. Muitas coisas podem estar além disso. Eu sou um mar de imensidão. Tenho meus valores, e assim como você, eu não preciso provar para ninguém as minhas afirmações pessoais. Olhe, quem é essa garota que chegou agora? Ridícula, ela? Por que? Ela tem cara de nojenta? Que que tem? O que você está vendo, meu caro? Um rosto? Eu também. Mas olhe para ela. Olhe logo. Olhou? Ok, agora me diz: O que você vê? Ela é muito mais do que você possa imaginar. Universo que me livre de pessoas que julgam sem conhecer. Aliás, estaria sendo hipócrita se dissesse que não julgo. Ah, como julgo. Por mais que eu tente, ainda tenho esse lado sombrio. Sou estranha, assim como você também é. A diferença entre nós é que um pode ser menos estranho do que o outro. Mas temos algo em comum: temos sentimentos, alegrias, tristezas, e muitas estantes para colocarmos os nossos erros. São tantos erros que ainda estão por vir, que acho que já vou fazer encomenda de mais estantes. Mas olhe, olhe de novo. Ela é legal? Sério? Não parecia. Quer ser nossa amiga?